Notícias sobre logística

Newsletter #4 Queda de 40% na demanda do transporte de cargas na pandemia

Representantes do setor não sabem quando será possível falar em retomada. Enquanto algumas empresas conseguem atravessar o momento, entidades articulam medidas de apoio junto aos governos

15 de junho de 2020

Com quedas na demanda que se aproximam de 40% no Brasil, empresários e entidades do setor não sabem dizer quando o prejuízo pode ser recuperado. Enquanto algumas transportadoras melhor preparadas estão conseguindo atravessar a crise, outras precisam recorrer a pedidos de prorrogação de recolhimento de impostos e linhas de crédito para sobreviver ao momento.

De acordo com o último levantamento da NTC&Logística, durante a 11ª semana (25 a 31 de maio), o transporte de cargas caiu 39,69% em relação ao volume no período anterior à pandemia. Esse índice atingiu um máximo de recuo de 45,2% na 5ª semana do monitoramento, entre 13 e 19 de abril. A partir desse ponto, apresentou uma leve tendência de recuperação. Segundo a última pesquisa semanal, 93% das empresas de transportes perderam faturamento por causa da pandemia.

A queda mais expressiva foi para os shoppings centers: de 64,6%. A entrega para lojas de rua também foi uma das mais prejudicadas, com baixa de 50,4%. Já o transporte de carga para mercados e supermercados registrou variação negativa de 25%. A indústria automobilística também teve queda de 56,1%. Por outro lado, o transporte para o agronegócio viu uma redução menor: de 32,3%, assim como o da indústria de alimentos refrigerados (-24,6%) e não refrigerados (-30,4%).

No âmbito nacional, as entidades do setor também se mobilizaram para conseguir apoio do governo. Segundo o presidente da NTC&Logística, Francisco Pelucio, a associação atuou para garantir que as medidas sanitárias para evitar a propagação do vírus fossem respeitadas nas rodovias e nos caminhões, além de negociar para que restaurantes de beira de estrada continuassem abertos, também conseguiu que as validades das carteiras e cursos de manejo de cargas perigosas dos motoristas fossem prorrogadas.

No Congresso, o setor espera que seja aprovada a prorrogação da desoneração da folha de pagamentos. O presidente da NTC&Logística defende que o apoio governamental é importante, mas a recuperação para o transporte rodoviário só virá quando acabar o isolamento social.

Você já atrasou uma entrega porque esqueceu uma carga para trás na hora de organizar a roteirização? O fretefy lançou o novo módulo "Formador de Cargas" que melhora a taxa de ocupação dos veículos cruzando com os dados da rota tudo automático, nossos clientes já não fazem mais horas extras organizando as rotas de entregas.

NOTÍCIAS DA SEMANA

Trabalhadores do transporte serão testados gratuitamente para coronavírus; 3.600 só em Minas

Fazem parte do grupo caminhoneiros autônomos, motoristas profissionais do transporte rodoviário de cargas e motoristas e cobradores do transporte coletivo rodoviário de passageiros

O SEST SENAT (Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte) está realizando, a partir desta segunda-feira (8), até sexta-feira, dia 12, uma ação de abrangência nacional para oferecer testes gratuitos do coronavírus aos caminhoneiros autônomos, motoristas profissionais do transporte rodoviário de cargas e motoristas e cobradores do transporte coletivo rodoviário de passageiros.

Serão disponibilizados 30 mil testes em terminais de cargas e de passageiros, postos de combustíveis, pontos de parada em rodovias e em unidades operacionais do SEST SENAT.

PepsiCo tem a maior frota de caminhões a gás da Scania no Brasil

A Pepsico acaba de comprar 18 caminhões a gás da Scania, tornando-se a empresa com a maior frota desse tipo de veículo, que polui menos que modelos similares a diese no mercado brasileiro

A PepsiCo comprou 18 unidades do caminhão Scania a gás. Os cavalo-mecânicos podem ser abastecidos com GNV (gás natural veicular) e/ou biometano.

Desde o lançamento da nova opção, a Scania vendeu 23 unidades. O modelo foi apresentado no fim do ano passado, durante a Fenatran.

“Comprovamos que esses caminhões oferecem redução significativa da emissão de poluentes, menor nível de ruído e ótima performance.” A meta global da PepsiCo é reduzir em 20% as emissões de poluentes de sua cadeia logística até 2030. Com 1.900 rotas, a operação da empresa no Brasil é a sexta maior do mundo.

ESCRITO POR